Fundador da Bitmain cria fundo de R$ 1,3 bilhão para comprar mineradores ‘falidos’

A BitDeer, uma operação de mineração de criptomoedas apoiada pelo ex-CEO da Bitmain, Jihan Wu, criou um fundo de US$ 250 milhões (R$ 1,3 bilhão) para comprar ativos em dificuldades de mineradores de Bitcoin.

De acordo com o CEO da empresa, Matt Kong, a ideia é aproveitar o ciclo de baixa para ajudar a indústria e lucrar com isso. O executivo observou que todo ciclo de mercado apresenta oportunidades se for bem cronometrado.

“Comprar na baixa e vender na alta funciona especialmente bem para a mineração”, disse.

Além disso, Kong afirmou que, incialmente, a Bitdeer planeja investir US$ 50 milhões como parte de uma parcela inicial. Em seguida, vai captar o restante, cerca de US$ 200 milhões, de investidores externos.

Conforme destacou Kong, a proposta de Jihan Wu é que os US$ 50 milhões iniciais atuem como um MVP. Ao mesmo tempo, o primeiro aporte será usado como marketing para a atrair o restante dos investimentos.

Entre os investidores vistos como alvo estão escritórios familiares, empresas de capital de risco, fundos de investimento alternativo, além de empresas de mineração.

Mineração em baixa

As coisas não andam bem para os mineradores de Bitcoin. Na primeira semana de outubro, a Glassnode disse que o Bitcoin está sendo negociado muito próximo de seu preço estimado de custo de produção desde a liquidação de junho.

Além disso, o declínio do preço do hash em sintonia com o preço do Bitcoin é um problema para os mineradores. De acordo com a Glassnode, isso afeta até os mineradores com excesso de energia.

“A Compute North é um exemplo de como o setor de mineração está ruim. A empresa está buscando uma maneira de pagar US$ 266 milhões em dívidas aos credores ao longo do tempo por meio de uma venda de 363 ativos”, aponta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.