Efeito El Salvador? Panamá apresenta projeto para regular criptomoedas 

Nesta terça-feira, dia 7 de setembro, o Bitcoin tornou-se, pela primeira vez na história, uma moeda de curso legal. A iniciativa de El Salvador estimulou economias americanas a buscarem a regulamentação das criptomoedas. E este é o caso do Panamá.

Na segunda-feira (6), o congressista panamenho Gabriel Silva apresentou um projeto de lei para regulamentar o uso de ativos digitais como meio de pagamento no país. Silva informou sobre o projeto em sua conta no Twitter:

“Hoje apresentamos a Ley de Crypto. Nosso objetivo é fazer do Panamá um país compatível com blockchain, ativos de criptografia e Internet.”

Segundo ele, a adoção da iniciativa vai gerar “milhares de empregos”, atrair investimentos e “tornar o governo transparente”.

Panamá quer regular criptomoedas

El Salvador pode ter servido de inspiração para a iniciativa. Contudo, vale destacar que os dois casos são bastantes distintos.

Isso porque, n caso da nova legislação salvadorenha, o Bitcoin passa a ser a moeda oficial do país ao lado do dólar.

Já no caso do projeto panamenho, o objetivo é regular o uso das criptomoedas em geral para transações comerciais e transferências entre indivíduos.

Além disso, o projeto prevê o uso de Bitcoin, Ethereum e outras moedas digitais para pagamentos de impostos e taxas.

O projeto também destaca três objetivos principais para a regulação dos criptoativos.

Primeiramente, a iniciativa visa promover a digitalização em órgãos e entidades públicos a partir da tecnologia blockchain de modo a tornar a informação pública transparente.

Em segundo lugar, o texto destaca o cunho inovador da iniciativa para promover a economia digital e atrair “as mentes mais talentosas do mundo para construir o futuro” no Panamá.

Por fim, a regulação também busca estabelecer princípios de interoperabilidade bancária para que os sistemas financeiros tradicionais sejam compatíveis com os novos.

Dessa forma, a proposta busca promover a inclusão financeira e a competição entre os prestadores de serviços financeiros. O objetivo final é beneficiar os usuários.

“Inovação, tecnologia, internet, criptomoedas, blockchain e tudo mais mencionado neste projeto é importante para os panamenhos. Isso porque tem potencial para criar empregos, trazer dinheiro para o país, expandir a oferta de produtos e serviços disponíveis, proteger o dinheiro da inflação, apoiando o surgimento de novas empresas, atraindo conhecimento e muito mais”, destacam os autores do projeto.

Criptomoedas como meio de pagamento

Especificamente sobre o uso de criptomoedas em pagamentos, o texto destaca que se trata de uma expressão de liberdade.

Ademais, a proposta estabelece que pessoas físicas ou jurídicas panamenhas “podem concordar livremente com o uso de criptoativos (…) como meio de pagamento”. Isso inclui qualquer operação civil ou comercial não proibida pelo ordenamento jurídico da República do Panamá”.

O projeto também menciona a possibilidade de os órgãos receberem pagamentos de impostos, taxas e outras obrigações fiscais com criptomoedas.

Leia também: Bitcoin cai 9% em uma hora e causa liquidação de R$ 14,9 bilhões no mercado

Leia também: FTX anuncia integração da Solana com plataforma NFT: preço pode atingir os US$ 500?

Leia também: Nova marca: El Salvador adquire 400 Bitcoins e torna-se primeiro país a comprar a criptomoeda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.