Criador das “Bandas de Bollinger”: Bitcoin em US$ 43.000 é normal

John Bollinger, criador das “Bandas de Bollinger”, afirmou que o Bitcoin ter perdido 35% de seu valor desde sua máxima é “totalmente normal”.

Nesta terça-feira (18), ele usou seu Twitter para afirmar que US$ 43.000 é considerado o “nível lógico” para o Bitcoin. Isso porque este valor é definido pelo pico de janeiro e pela baixa de março.

Sem pânico

De acordo com Bollinger, que é conhecido por suas boas análises sobre o Bitcoin, os US$ 42 mil é o nível de suporte a ser observado.

Segundo ele, correções como as que o mercado está vendo são normais na história do Bitcoin.

“A ação do preço nos níveis atuais pode dizer ao trader/analista inteligente que tudo está dentro do esperado”, disse Bollinger.

O próprio indicador de bandas de Bollinger continua a indicar um movimento de alta para o par BTC/USD:

“Com exceção das preocupações dos comerciantes sobre a China aumentando a pressão de venda, o Bitcoin está em um clima resiliente. E vários outros indicadores e analistas permanecem otimistas quanto ao futuro”, disse.

Alta em breve ou queda mais acentuada?

Do mesmo modo, Danny Scott, CEO da CoinCorner, também está confiante em uma alta. Ele comparou o ciclo atual com ciclos anteriores e está prevendo um movimento positivo em breve:

“Bitcoin ainda na pista, como sempre. Podemos ver um mês incrivelmente de alta agora ou daqui a dois meses”, finalizou.

Mas essa não é opinião de outros analista como de Carter Worth, da CNBC. Para ele, poderá haver ainda um movimento adicional de queda que levará a criptomoeda para menos de US$ 29 mil.

Leia também: 9 criptomoedas para comprar nessa baixa que podem bombar

Leia também: “Bitcoin não deve escapar de correção de 60%”, diz Felipe Escudero

Leia também: Elon Musk acidentalmente faz token disparar 6.000%

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.