Protocolo Babel Finance chega a acordo para pagar usuários após bloquear saques

O protocolo de empréstimos de criptomoedas Babel Finance chegou a acordos preliminares com seus credores sobre o pagamento de algumas dívidas. Com isso, o protocolo deve começar a liberar os saques, limitados na sexta-feira passada (17).

No entanto, a empresa não informou quais acordos foram fechados nem quem foram os credores beneficiados. O comunicado oficial diz apenas que a empresa avaliou a liquidez de seus fundos e chegou a estes acordos.

“A Babel Finance cumprirá ativamente suas responsabilidades legais para com os clientes e se esforçará para evitar maior transmissão e difusão de riscos de liquidez. Agradecemos aos nossos clientes por sua compreensão e apoio durante este período, e esperamos obter mais apoio de nossos parceiros”, disse a empresa.

Os problemas de liquidez afetaram diversos protocolos e fundos centralizados de empréstimos na semana passada. A desvalorização do mercado de criptomoedas causou fortes liquidações, prejudicando quem operava com alavancagem nestes setores.

Limitações de saques

Enquanto alguns fundos e protocolos bloquearam saques por completo, a Babel Finance permitiu a retirada de valores menores. Mas na sexta-feira, o protocolo bloqueou os saques que fossem maiores que US$ 1.500 (R$ 7.700 na cotação atual).

Este valor corresponde a um limite mensal, ou seja, os clientes do protocolo podem sacar menos de R$ 8.000 mensais. Mas diversas carteiras possuem saldos até dez vezes maiores, o que naturalmente prejudicaria todos os investidores.

A Babel Finance citou “pressões de liquidez incomuns” como justificativa. Na prática, o protocolo sofre com o mesmo problema que levou a Celsius a travar completamente os saques. No entanto, a Babel não revelou quais foram os problemas de liquidez.

Na sequência, a empresa realizou uma “avaliação de emergência” das operações e disse que as pressões de liquidez de curto prazo “atenuaram”.

“Nós nos comunicamos ativamente com acionistas e investidores em potencial e continuaremos a nos comunicar e obter suporte de liquidez”, continuou o comunicado.

De grandes investimentos a crises

No final de 2021, a Babel Finance tinha um saldo de empréstimos pendentes de mais de US$ 3 bilhões, acima dos US$ 2 bilhões de fevereiro.

A empresa no mês passado levantou US$ 80 milhões em uma rodada de investimento Série B no mês passado. O valor corresponde a R$ 450 milhões na cotação atual e elevou o valuation da empresa para US$ 2 bilhões (R$ 10,2 bilhões). 

Mas a Babel Finance foi alvo de uma crise de liquidez que atingiu os mercados como um todo. A princípio, a maior parte desta crise ocorreu porque os fundos estavam alavancados em várias operações, mas o mercado em queda causou liquidações em massa.

Como resultado, os fundos registraram perdas líquidas em seus investimentos e tiveram que vender posições em criptomoedas. Tal medida contribuiu tanto para aprofundar as desvalorizações quanto para comprometer a solidez dos fundos.

O Three Arrows Capital (3AC), por exemplo, tinha grandes posições em Ether (ETH) e vários investimentos em protocolos de finanças descentralizadas (DeFi). Parte dos rendimentos pagos aos investidores vinha dessas aplicações, que secaram quando o mercado entrou em queda.

Agora, os investidores temem que a crise de liquidez atinja empresas maiores, como a Nexo e até a gigante BlockFi. Para o investidor Miles Deutscher, esta é a “maior crise de retirada de liquidez da história do mercado de criptomoedas”.

Leia também: Indústria de criptomoedas reduz em 90% gastos com anúncios

Leia também: Bitcoin estaciona nos US$20 mil dólares; E agora?

Leia também: Bitcoin a US$ 21 mil: criptomoedas mantém ritmo de recuperação e alta chega a 10%

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.