PF revela que Unick roubou R$ 12 bilhões de seus clientes

Como apurado pelo Portal Gaucha ZH, a Polícia Federal (PF) concluiu na terça-feira (11) a Operação Lamanai, deflagrada em outubro de 2019. A investigação revela que a Unick Forex deve cerca de R$ 12 bilhões aos seus clientes.

Suspeita de pirâmide financeira, a empresa atraia investidores interessados em criptomoedas.

A investigação aponta que a companhia movimentou mais de R$ 28 bilhões. O Ministério Público Federal (MPF) e a PF indiciaram e denunciaram 15 executivos ligados à suposta fraude.

Suspeita de Pirâmide

Segundo relatório da PF, a Unick Forex causou um prejuízo de aproximadamente R$ 12 bilhões aos seus investidores.

Investigada há pelo menos um ano e sete meses, a empresa seria uma suposta pirâmide financeira atuante no mercado de criptomoedas.

Durante o período de operação no mercado, a companhia teria movimentado cerca de R$ 28 bilhões.

Andamento da operação

Em 2018, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) emitiu uma ordem de suspensão à empresa. A entidade alegava que a Unick apresentava irregularidades em suas operações. No entanto, a empresa continuou atuando no mercado.

Em 2019, a PF deflagrou a Operação Lamanai, na qual indiciou 13 pessoas. Além destas, o MPF também denunciou outros dois envolvidos no esquema criminoso.

Atualmente, os 15 suspeitos respondem em liberdade. Entre eles, Leidimar Bernardo Lopes, o fundador e chefe da pirâmide.

As investigações revelam que os demais investigados e colaboradores da companhia se referiam a Lopes como “presidente”, “comandante” ou “chefe”.

Bens apreendidos

Durante a operação, foram apreendidos cerca de R$ 200 milhões em contas ligadas à empresa, além de 44 carros de luxos, dinheiro em espécie, joias, moedas estrangeiras e 1.550 BTC.

Apenas em Bitcoin, com a correção atual de R$ 259.427,20, o valor apreendido superaria os R$ 400 milhões.

Os envolvidos no suposto golpe

Além de Lopes, outros diretores, contadores, advogados e, até, sua filha estariam envolvidos na suposta organização.

Leidimar Bernardo Lopes — fundador e CEO da Unick Forex;

Danter Navar da Silva — diretor de marketing;

Fernando Baum Salomon — advogado. Teria cedido contas pessoais de seus escritórios de advocacia para o suposto esquema;

Caren Cristiani Greff Martins — advogada. Teria atuado com Salomon e como “prestadora de serviços advocatícios à empresa”;

Fernando Marques Lusvarghi — diretor jurídico da Unick;

Paulo Sérgio Kroeff — seria responsável pela aquisição e direção de empresas ligadas a Unick;

Israel Nogueira e Sousa — diretor de comunicação e tecnologia da companhia;

Sebastião Lucas da Silva Gil — teria movimentado valores da Unick em sua conta pessoal;

Euler da Silva Machado — controlaria pagamentos a investidores da empresa;

Ronaldo Luis Sembranelli — atuou como “laranja” para aquisição de ações;

Marcos da Silva Kronhardt — atuaria como trader da Unick;

Ana Carolina de Oliveira Lopes — filha de Leidimar. Teria atuado na administração da organização junto com o pai;

Itamar Bernardo Lopes — teria movimentado valores da Unick em contas pessoais;

Bernardo Ramos Rodrigues — teria fornecido serviços contábeis à empresa.

Leia também: Cuidado: primeiro resultado do Google para MetaMask é golpe

Leia também: Binance é investigada nos Estados Unidos por lavagem de dinheiro

Leia também: 5 tokens baratos e promissores para lucrar na alta, segundo analista

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.