Empresa oferece US$ 1 milhão para quem revelar reservas da Tether (USDT)

A empresa de pesquisa financeira forense Hindenburg Research anunciou uma recompensa de até US$ 1.000.000 para qualquer denunciante que revelar detalhes exclusivos sobre as reservas do USDT.

A Tether, emissora da moeda digital estável, está frequentemente envolvida em polêmicas relacionadas ao lastro da stablecoin cujo valor de mercado passa de US$ 69 bilhões.

De acordo com o anúncio, a empresa questiona a legitimidade das reservas da Tether devido à falta de transparência:

“Acreditamos fortemente que a Tether deve divulgar total e completamente suas participações ao público. Na ausência dessa divulgação, estamos oferecendo uma recompensa de US$ 1.000.000 a qualquer um que possa nos fornecer detalhes exclusivos sobre as supostas reservas de Tether”, disse o fundador da Hindenburg Research, Nathan Anderson.

Recompensa de US$ 1 milhão

Em particular, a Hindenburg Research duvida que a Tether mantenha suas reservas em papéis comerciais. Afinal, os grandes balcões de negociação afirmam que “nunca trabalharam com eles ou os viram no mercado”.

Até hoje, a Tether reluta em dar transparência ao público sobre suas participações, enfatizou a empresa:

“Tether é a base fundamental do mercado de criptomoedas de multitrilhões de dólares. No entanto, apesar das repetidas reivindicações de transparência, suas divulgações têm sido opacas. A empresa afirma deter uma parte significativa de suas reservas em papel comercial. Mas não divulgou praticamente nada sobre suas contrapartes.”

Nesse sentido, a empresa afirmou que a iniciativa busca ajudar a aumentar o conhecimento do público sobre o que acredita ser uma ameaça crescente aos investidores.

Dessa forma, está incentivando a divulgação relacionada a uma parte crucial dos mercados de criptoativos, que estão se aproximando de um tamanho “sistêmico”.

Lastro do USDT

No início deste ano, conforme noticiado pelo CriptoFácil, a Tether revelou um relatório de garantia conduzido pela empresa de auditoria caribenha More Cayman. O documento revelou que menos de 3% do lastro do USDT está em dinheiro. 

Além disso, o levantamento mostra que cerca de 76% do lastro é composto por “dinheiro e equivalentes”. Ou seja, a quantia nem sequer é preenchida por dólares como tinha afirmado a empresa anteriormente.

Outros 12,55% das reservas são de empréstimos garantidos que são emitidos pela Tether. Há ainda 9,96% de títulos corporativos, fundos e metais preciosos e 1,64% de investimentos em “tokens digitais”.

Os problemas com o lastro da stablecoin chamou a atenção até mesmo do presidente da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), Gary Gensler. Em setembro, ele disse que as criptomoedas estáveis eram, na verdade, “fichas de pôquer”.

Leia também: Rússia planeja trocar parte das reservas feitas em dólares por ativos digitais 

Leia também: Argentinos criam token ‘Maradólar’ para homenagear Diego Maradona

Leia também: Sotheby’s quer competir com o OpenSea e lança sua propria plataforma de NFTs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.