The Defiant: Lido rejeita proposta para limitar seu crescimento em movimento chave para a Eth2

Após quatro dias de votação, o Lido, o maior protocolo de staking líquido na rede Ethereum, parece pronto para rejeitar uma proposta para limitar o seu próprio crescimento.

Na votação, menos de 0,5% dos votos foram a favor de Lido limitar sua participação no Ethereum. Dos votantes, aqueles com mais de 99% dos tokens de governança do Lido, o LDO, votaram a favor do protocolo para não atrasar o seu crescimento.

Serviço de Staking

A proposta de governança, intitulada “O Lido deve considerar a autolimitação?”, foi de autoria de Vasiliy Shapovalov. Ele é  CTP da P2P, um serviço de staking sem custódia para investidores profissionais.

Postada no portal do protocolo no dia 24 de junho, uma votação bem-sucedida teria obrigado o protocolo a “diminuir o fluxo de participação de entrada em qualquer forma”, com os detalhes a serem decididos em um segundo turno de votação.

Além disso, a votação vai ajudar a determinar como um protocolo chave na cadeia de Prova de Participação (PoS) da Ethereum vai seguir se desenvolvendo.

Ademais, ela fornece insights sobre a dinâmica de governança descentralizada. Neste sistema, uma ampla comunidade de partes interessadas discute decisões cruciais para o projeto, embora, na prática, muitas vezes acabe com os grandes detentores de tokens dando as cartas.

Na segunda-feira, o Lido representava quase um terço de todo o Ether em staking, de acordo com dados do Dune Analytics.

A rede ETH está migrando para o algoritmo de consenso de PoS, que exige que os operadores de nós depositem criptomoedas, em vez de gastar energia para confirmar transações.

O Lido permite que os detentores de ETH “travem” sua criptomoeda por meio da plataforma e ganhem recompensas por isso. Enquanto isso, eles delegam a execução real de um nó ETH para os operadores no ecossistema Lido. Nesta terça-feira (28) há 26 operadores na rede.

Risco de um ataque ao Ethereum

A preocupação, contudo, é que os nós do Lido possam se coordenar. Se for esse o caso, quanto maior a porcentagem de ETH em staking que eles possuem, maior o risco de um ataque à rede Ethereum.

Esta é a segunda grande proposta de governança a atrair um debate sério com o objetivo de limitar as oportunidades para os maus atores abusarem de sua dominância de mercado.

Ethereans proeminentes pediram ao Lido para limitar seu crescimento. Eles incluem, por exemplo, o fundador da Ethereum, Vitalik Buterin; e o pesquisador da fundação Ethereum, Danny Ryan, que causou alvoroço no mês passado com um post no blog intitulado “O perigo do LSD”.

O “LSD” em questão são os derivativos de staking líquidos emitidos pelo Lido e protocolos similares, como o Rocket Pool.

O Lido permite que os usuários recebam um token derivativo chamado Staking ETH, ou stETH, em troca de deixar ETH na plataforma. A vantagem é que se pode usar stETH como se fosse ETH em um protocolo DeFi.

Mas, Ryan alertou que se algum protocolo colocasse a maioria do Ether em circulação, a rede se tornaria vulnerável a demandas de censura e outros abusos de poder que a blockchain busca contornar.

Atividades de cartel

Protocolos como o Lido provavelmente se tornarão monopólios, escreveu Marco Di Maggio, professor da Harvard Business School e ex-pesquisador do Terra Labs, em um post no blog em 2020.

“Efeitos de rede vão surgir. Quanto mais aumenta o uso de um protocolo de staking líquido específico mais aumenta a liquidez e a utilidade como garantia Isso impulsiona ainda mais a adoção dessa solução em relação a seus concorrentes”, disse ele. “Como resultado, nós podemos esperar que apenas uma quantidade limitada de protocolos de staking líquidos possa coexistir”.

A potencial monopolização de staking do Lido vem com o risco de que os detentores de LDO “forçam atividades de cartel de censura, multi-bloco, etc. Ou então, o [validador] é removido do conjunto”, escreveu Ryan.

No entanto, no fórum de governança do protocolo, os usuários do Lido apontaram para o que dizem ser algo muito mais assustador: exchanges centralizadas, como a Coinbase e a Kraken, entrando no vazio deixado por um Lido autolimitado.

“Sou contra quaisquer limitações impostas ao LIDO por liderar o mercado de staking”, disse Benjicohen. “Se você discordar, considere como você vai se sentir se a Coinbase ou a Kraken assumir o controle.”

Enquanto isso, Ryanberckmans argumentou que a autolimitação era uma decisão reversível. E afirmou que “o pior cenário possível de um derivativo da Coinbase assumindo [o controle]” é extremamente improvável. Mas que se acontecesse, seria “mais como um duopólio relativamente mais saudável”.

Não é uma solução

No entanto, outro usuário, Izzy, disse que essa perspectiva não era razoável.

“Por que dar a eles a oportunidade (e o poder) que vem com a recuperação?” disse. “O risco que é introduzido (e o prejuízo geral para a descentralização) vale a pena? Os protocolos que vão alcançar mais rapidamente são aqueles que podem alavancar economias em escala.”

Então, Cobie concordou que deixar os outros se atualizarem – o que ele chamou de “altruísmo” – não era uma solução. Mas Lido tem mudanças a fazer antes de confiar nele o poder de monopólio.

“Eu pude ver, por exemplo, que limitar o crescimento antes da capacidade de os usuários saírem não é uma sugestão irracional nas circunstâncias”, escreveu ele.

Mal entendido

Adam Cochran, sócio da Cinneamhain Ventures disse que esses temores foram baseados em um mal-entendido sobre o que é o Lido:

“A retórica em torno dessa ideia continua a vir de partes interessadas adversárias, indivíduos que não entendem os sistemas do Lido e pessoas que estão interpretando erroneamente as preocupações genuínas de alguns na comunidade Ethereum”, disse ele. “O Lido provavelmente nem é uma entidade de staking, mas sim um incentivo de recompensas e uma camada de protocolo para que as entidades de staking sejam capazes de fornecer staking como um serviço padronizado.”

Como a proposta, ao que parece, está destinada ao fracasso, a atenção deve se voltar para outro tópico de debate: mudar a estrutura de governança do Lido para dificultar o abuso do protocolo.

Desconfiado do mesmo alerta de Ryan, Sam Kozin, desenvolvedor principal da Lido, foi coautor de uma solução apelidada de “governança dupla”. Ela permitiria aos detentores de stETH vetar propostas de governança aprovadas pelos detentores de LDO.

“Não achamos que essa mecânica de governança dupla deva se aplicar a todas as decisões. Em vez disso, deve se aplicar apenas a decisões que potencialmente podem prejudicar os interessados”, disse Kozin.

Comunidade Lido

Por fim, nesta terça-feira, os membros da equipe do Lido propuseram uma atualização de governança no blog do protocolo. Ela criaria um período somente de objeções ao final de qualquer votação do DAO.

De acordo com eles, isso impediria um ataque hipotético em que um ator malicioso com 5% de LDO (o valor necessário para um quórum) cria uma proposta sem o apoio da comunidade do Lido e a “balança” a seu favor antes do período de votação terminar.

“Este é um passo importante para o Lido DAO fortalecer seu processo de governança e mitigar a captura ou danos ao protocolo”, escreveu a equipe.

Leia também: CEO da Celsius é acusado de tentar “fugir” para Israel

Leia também: LUNA Classic ressurge e sobe 56% depois que hackers ameaçam Do Kwon 

Leia também: MPSC afasta do mercado líderes da Go Capital para evitar novas pirâmides com criptomoedas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.