Polícia indicia ‘Faraó dos Bitcoins’ por tentativa de homicídio contra concorrente

Glaidson Acácio dos Santos, líder do suposto esquema de pirâmide financeira GAS Consultoria Bitcoin, foi indiciado na quarta-feira (27) como mandante da tentativa de homicídio contra Nilson Alves da Silva.

Em 20 de março deste ano, “Nilsinho”, como é conhecido, dirigia uma BMW X6, avaliada em cerca de R$ 600 mil, pelo Braga, em Cabo Frio, quando foi alvo de vários tiros que partiram de homens encapuzados. Ele sobreviveu, mas ficou tetraplégico e cego.

De acordo com as investigações da Polícia Civil, Glaidson foi o mandante do crime.

‘Faraó dos Bitcoins’ teria mandado matar concorrente

O responsável pelas investigações é o delegado Carlos Eduardo Almeida, da 126ª DP (Cabo Frio). Segundo ele, o empresário Nilsinho também atuava com supostos investimentos em criptomoedas na região.

A motivação do crime teria sido uma notícia espalhada por Nilsinho, em janeiro de 2021. Na ocasião, ele afirmou que Glaidson seria preso pela Polícia Federal ainda este ano.

Por conta disso, Nilsinho teria sugerido que os clientes de Glaidson transferissem os recursos da GAS para sua empresa.

De fato, Glaidson foi preso pela PF em agosto deste ano. Ele passou a ser chamado de “Faraó dos Bitcoins” pelas movimentações bilionárias com o esquema.

O ex-garçom foi indiciado por crimes contra o sistema financeiro, lavagem de capitais e participação de grupo criminoso. Na terça-feira (26), a Justiça Federal negou habeas corpus a Glaidson.

Conforme noticiado pelo G1, Glaidson teria pedido a Thiago de Paula Reis que contratasse os executores do crime. Thiago é um dos homens de confiança do dono da GAS e chegou a visitá-lo na cadeia.

A defesa de Thiago, no entanto, diz que ele “nega veementemente qualquer participação nos fatos narrados”.

Além disso, os advogados afirmaram que “antes de veiculada qualquer matéria sobre o assunto, a defesa protocolou na Delegacia de Cabo Frio uma petição informando que o Sr. Thiago de Paula Reis está inteiramente à disposição da Justiça para prestar qualquer esclarecimento sobre os fatos”.

A defesa também informou que ainda não teve acesso aos autos do inquérito policial. “Portanto, não tomou conhecimento do teor das acusações, bem como não houve por parte da Autoridade Policial a tentativa de intimá-lo para esclarecer os episódios sob investigação”.

Sobre os acusados 

A Polícia Civil disse em nota que quatro indivíduos foram contratados para matar a vítima. Para isso, utilizaram um veículo clonado e contaram com o apoio de um carro regularizado para fazer os deslocamentos rodoviários.

De acordo com a polícia, os executores do crime foram: Rodrigo Silva Moreira, Fabio Natan do Nascimento (FB), Chingler Lopes Lima e Rafael Marques Gregório.

FB e Chingler também são acusados pelo homicídio de outro investidor em criptomoedas, Wesley Pessano, em São Pedro da Aldeia, também na Região dos Lagos.

Agora, as investigações continuam para saber se Glaidson também foi o mandante do crime que ocorreu em agosto.

Leia também: Analista aponta 4 criptomoedas que podem alcançar seus recordes históricos

Leia também: Justiça manda bloquear Porsche e contas do trader Wesley Pessano, assassinado em agosto

Leia também: El Salvador aproveita queda e adiciona mais 420 Bitcoins em suas reservas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.