Página do Museu do Holocausto do Brasil é alvo de ataque e pede criptomoedas de seguidores

O perfil do Museu do Holocausto brasileiro no Twitter foi alvo de um ataque hacker na manhã desta quinta-feira (26). Hackers invadiram a conta do museu e criaram um tuíte pedindo doações em criptomoedas.

De acordo com a publicação, o Museu do Holocausto estaria correndo o risco de fechar e, para evitar isso, precisaria de doações. Em seguida, a publicação forneceu dois endereços de criptomoedas, um de Bitcoin (BTC) e outro de Litecoin (LTC).

“Somos obrigados a informar que podemos fechar a qualquer momento devido à falta de fundos para o desenvolvimento. Se você quiser ajudar, envie fundos em criptomoeda: Bitcoin e Litecoin“, diz a mensagem.

A princípio, muitos seguidores do museu acreditaram que a publicação era verdadeira. De fato, alguns deles até criticaram a atitude da instituição de pedir doações em criptomoedas. Só que duas horas após a publicação do tuíte, o museu confirmou que se tratava de um ataque.

Por meio de um novo tuíte, a organização alertou de que estava sendo alvo de uma invasão hacker e pediu que ninguém enviasse dinheiro aos endereços.

“O perfil do Twitter do Museu sofreu um ataque. Pedimos que desconsiderem mensagens postadas ou enviadas. Esperamos em breve solucionar o problema. Até lá, contamos com a compreensão de todos”, alertou a conta.

Golpistas conseguiram fundos

Mesmo com o alerta emitido pelo museu, os exploradores de blocos do BTC e da LTC mostram que os golpista ainda conseguiram receber fundos. De acordo com a Blockstream, a carteira de BTC continha cerca de 0,035 BTC, ou R$ 4.777 na cotação atual.

Já em LTC, os hackers receberam 7,49 LTC, o que corresponde a R$ 2.276 na cotação em reais. Em suma, o ataque ao Museu do Holocausto rendeu R$ 6.753 até o fechamento desta matéria. Ninguém conseguiu descobrir quem foi o autor do ataque.

Além de divulgar os endereços, os invasores utilizaram a conta para publicar vídeos no perfil de outros usuários. Essa publicação era automática, feita sempre que alguém fazia alguma referência ao BTC ou outras criptomoedas – uma tática comum entre robôs e contas falsas ou invadidas.

Hackers utilizaram contas para divulgar golpes. Fonte: Museu do Holocausto/Twitter.

Hackers utilizaram contas para divulgar golpes. Fonte: Museu do Holocausto/Twitter.

Os golpes de invasão de perfis no Twitter são bastante comuns, especialmente a partir de 2020. Naquele ano, um grupo de hackers invadiu dezenas de contas famosas, como do ex-presidente Barack Obama, e as utilizou para pedir doações em criptomoedas. A invasão foi uma das maiores da história da rede social.

Mas o Twitter não é o único alvo, pois contas no YouTube também sofrem com invasões desse tipo. Os hackers geralmente invadem as lives ou roubam os canais, criando lives falsas. Em seguida, aplicam golpes oferecendo o dobro de criptomoedas para quem enviar uma quantidade para os endereços fornecidos.

Leia também: Netflix distribui NFTs da série Love, Death and Robots; saiba como ganhar

Leia também: São Paulo passa a aceitar criptomoedas para pagamento de ingressos

Leia também: Analista indica 3 criptomoedas de metaverso que os investidores devem ficar de olho

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.