Operadora Claro distribui 500 NTFs a visitantes de metaverso em Petrópolis (RJ)

O metaverso definitivamente chegou às empresas brasileiras. Após o Banco do Brasil iniciar operações neste mercado em expansão, a operadora Claro anunciou uma parceria para levar o metaverso à cidade de Petrópolis, região Serrana do Rio.

De acordo com o anúncio, a colaboração prevê a distribuição gratuita de 500 NFTs aos visitantes do Espaço Claro Metaverso.

O visitante poderá explorar exposições de galerias virtuais, com vídeos e playlists, através de óculos de realidade virtual.

Conforme explicou Fábio Pinto, gerente da Metaverso Agency, parceira da Dellarte na elaboração do espaço, os NFTs são o ponto alta:

“Além de promover a imersão no mundo 3D, as pessoas podem ter acesso a um NFT totalmente gratuito. Isso é um dos pontos mais bacanas do nosso stand. Podemos dizer que o NFT é uma obra de arte no mundo virtual. A pessoa pode guardar esse material com ela ou colocar no mercado para a venda. Através do metaverso, a gente consegue trocar as criptomoedas da venda em dinheiro real.”

Espaço Claro Metaverso distribui NFT

De acordo com a Prefeitura de Petrópolis, o Espaço Claro Metaverso será instalado ao lado da Casa do Papai Noel, na sede da prefeitura. A instalação ficará disponível até o dia 9 de janeiro. O objetivo é oferecer a experiência de entrar no mundo virtual.

“Através de um óculos de realidade virtual, é possível estar em um edifício futurista e customizado de dois andares, exposições de galerias virtuais, com vídeos institucionais da operadora e playlists especiais do Claro música”, diz o comunicado.

Além disso, através de um QR Code, os visitantes terão acesso a um NFT com obras em homenagem à Claro.

A operadora é a primeira a oferecer uma experiência em realidade virtual com metaverso no Brasil.

“Petrópolis é uma cidade com uma vocação tecnológica enorme. Ficamos muito felizes em trazer uma novidade como essa para o nosso Natal Imperial 2021”, destacou o governo interino.

Já Steffen Daueslberg, CEO da Dellarte, destacou que as criptomoedas impulsionam o metaverso:

“O metaverso é um negócio que tem movimentado milhões. É impulsionado sobretudo pela economia das criptomoedas e a mudança cultural durante a pandemia. Este movimento que está acontecendo com as artes já ocorreu em diversos outros segmentos, onde inovação e tecnologia trazem oportunidades e mudanças”, ressaltou.

Leia também: Faraó do Bitcoin é denunciado por tentativa de homicídio

Leia também: USDC é lançada na blockchain Avalanche e AVAX salta 15%

Leia também: Criptomoedas serão reguladas no Brasil até o primeiro trimestre de 2022, afirma Aureo Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.