O sonho acabou? Diem avalia venda de ativos para reembolsar investidores

O polêmico projeto de moeda digital da empresa Meta (antigo Facebook) pode estar prestes a acabar antes mesmo de ter sido lançado.

De acordo com um relatório da Bloomberg, a Associação Diem, anteriormente conhecida como Libra, está em negociações para vender seus ativos e devolver capital aos investidores.

Os membros do projeto incluem algumas das maiores empresas de tecnologia e investidores do mundo, tais como Uber, Spotify, Coinbase e Ribbit Capital. Contudo, não está claro quais membros de Diem realmente investiram no projeto.

Fontes disseram à agência de notícias que a associação está em discussões com banqueiros de investimento para entender qual é a melhor forma de vender sua propriedade intelectual e encontrar um novo lar para os engenheiros que desenvolveram a tecnologia.

Isso colocaria fim ao ambicioso projeto de stablecoin da dona do Facebook. Conforme destacaram as fontes, que pediram para não ser identificadas, as discussões estão em andamento. Mas não há garantia de que Diem encontre um comprador.

Ainda segundo a Bloomberg, Meta possui cerca de um terço do empreendimento. O restante pertence a membros da associação, que concordaram em investir e pagar para participar quando o grupo foi formado.

No site da Diem, constam como parceiros empresas de capital de risco como Andreessen Horowitz, Union Square Ventures, e Thrive Capital, bem como o investidor estatal de Cingapura Temasek Holdings Pte e as empresa citadas anteriormente.

Projeto Libra/Diem

A primeira vez que o Facebook revelou seus planos para lançar uma criptomoeda própria, a Libra, e revolucionar os serviços financeiros globais foi em 2019. Na época, diversas grandes corporações se interessaram pelo projeto e um consórcio foi criado.

No entanto, a iniciativa sofreu com as pressões regulatórias. Entidades globais expressaram preocupação sobre o impacto da moeda digital na estabilidade financeira. Além disso, destacaram que Libra poderia afetar a política monetária e ameaçar a privacidade. Mark Zuckerberg chegou a ser chamado para depor sobre a Libra.

Depois disso, diversas empresas abandonaram o projeto, incluindo Visa, Mastercard, eBay, Stripe e várias outras.

Então, em dezembro de 2020, conforme noticiado pelo CriptoFácil, o projeto foi reformulado. Ele passou a se chamar Diem, com ambições bem menores, em um esforço para obter a sonhada aprovação regulatória.

A ideia era que Diem fosse uma stablecoin lastreada apenas no dólar, em vez de ser lastreada em uma cesta de moedas fiduciárias, como dólar, euro, iene, como estava previsto no projeto Libra.

Mas Diem começou a desandar – se é que chegou a andar – quando seu fundador, David Marcus, deixou Meta em 2021.

Na época, ele alegou que estava deixando a organização para perseguir outros interesses empresariais. Mas alguns especialistas já afirmavam que a saída sinalizava para o fim de Diem.

Agora, resta saber se a associação conseguirá vender seus ativos e reembolsar os investidores que acreditaram em Diem.

Leia também: Donos de NFTs afetados por bug na OpenSea serão reembolsados

Leia também: Corretora de criptomoedas é proibida de atuar no Brasil pela CVM

Leia também: Mineradores de Bitcoin do Cazaquistão ficarão sem eletricidade até o final do mês

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.