Nova ação da PF combate esquema de fraudes bilionárias com criptomoedas

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira (14) a quarta fase da operação Kryptos, batizada de operação Betka. O objetivo da ação era desarticular uma organização criminosa responsável por fraudes bilionárias envolvendo criptomoedas.

A operação foi realizada em parceria com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MPF).

A PF informou que 15 policiais federais às ruas cumprir dois mandados de prisão preventiva no Rio de Janeiro/RJ.

Os mandados foram expedidos pela 3ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro e são resultado de uma cooperação entre a PF e o Ministério Público Federal.

Operação Betka

Conforme informou a Polícia Federal, na terceira fase da operação Kryptos – na Operação Valeta – os agentes apreenderam um material que detalhou a criação de uma corretora de criptoativos pelos investigados.

Segundo a polícia, essa exchange foi criada supostamente para “evitar a ação de bloqueio e posterior confisco dos valores movimentados pelo esquema criminoso, por parte dos órgãos da persecução penal, por meio da utilização de interpostas pessoas para a dissimulação do capital movimentado”.

Operação Valeta

A Operação Valeta foi deflagrada em fevereiro também para desmantelar uma quadrilha que usava criptomoedas em operações ilegais.

De acordo com a PF, as movimentações eram mediadas por uma advogada responsável pela administração de duas empresas sediadas em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

A principal investigada na Operação Kryptos é a GAS Consultoria, do “Faraó dos Bitcoins”, Glaidson Acácio dos Santos. Ele teria contratado estes serviços da advogada.

Conforme a acusação, a conduta da investigada possibilitou a continuidade das atividades ilícitas da GAS. Os crimes continuavam sendo praticados mesmo após a deflagração da primeira fase da operação.

Os nomes dos investigados não foram revelados. Mas a PF informou que eles respondem pela prática dos crimes de operação sem autorização de instituição financeira, gestão fraudulenta, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Assim, se condenados, poderão cumprir pena de até 34 anos de reclusão.

O nome da operação “Betka”, segundo a PF, faz referência ao banco de pagamentos T-28 e a um tanque russo.

Caso GAS Consultoria

O caso de mais destaque da Operação Kryptos foi o da GAS Consultoria Bitcoin, empresa que atuava na região do Lagos do Rio de Janeiro, mais precisamente em Cabo Frio.

Em sua primeira fase, a operação prendeu o dono da GAS Consultoria, Glaidson Acácio dos Santos.

O MPF afirma que pelo menos R$ 38,2 bilhões foram movimentados pela GAS Consultoria entre 2015 e 2021. Ainda conforme a acusação, 6.249 pessoas físicas e 2.727 pessoas jurídicas foram afetadas.

Leia também: Analista faz previsão de fundos e pontos de compra para três criptomoedas

Leia também: El Salvador prepara lançamento de Bitcoin Bonds; ‘Se falhar, muitas portas se fecham’

Leia também: Bitcoin cai novamente e mercado de criptomoedas fica no vermelho. Token SLP, do Axie Infinity, sobe 2% em 24 horas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.