Baixo custo do Real digital aumentará eficiência de pagamentos; afirma senador

A moeda digital de banco central (CBDC, na sigla em inglês) do Brasil foi assunto de uma audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) realizada nesta quarta-feira (1º).

Na ocasião, o presidente da CCT, o senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL), disse que o Banco Central precisa avaliar as vantagens e desvantagens da moeda digital nacional. De acordo com o parlamentar, a moeda digital poderia aumentar a eficiência do sistema monetário nacional:

“É indispensável examinar quais vantagens e eventuais desvantagens da criação da moeda digital. Entre os benefícios, o Real digital seria uma moeda de troca praticamente sem custo. Isso ajudaria a aumentar a eficiência do sistema de pagamentos e facilitaria a liquidação mais rápida e segura das transações financeiras internacionais”, disse Cunha.

Além disso, o senador afirmou que micro e pequenos negócios também podem se beneficiar com a diminuição de custos de transações.

Por outro lado, Cunha argumentou que, por ser rastreável, a moeda digital também auxiliaria no combate a diversos crimes. Isso inclui lavagem de dinheiro, corrupção, sonegação fiscal, trafico de drogas e terrorismo.

Real digital será testado no ano que vem

Conforme noticiou a Agência Senado, Fábio Araújo, o coordenador do projeto e assessor econômico do Banco Central, também participou da audiência.

Ele confirmou que a versão digital da moeda deve ser lançada até 2024. Mas os testes iniciais começarão a ser realizados já em 2022.

“Dada a complexidade, esse não é um problema que vai ser resolvido nos próximos meses. O horizonte de dois ou três anos parece um prazo mais adequado para que as condições para a eventual emissão de um Real digital estejam maduras”, afirmou.

Araújo reafirmou também que a moeda digital do Brasil não pode ser confundida com uma criptomoeda, como o Bitcoin. O executivo reiterou ainda que os criptoativos são considerados pelo BC um investimento de alto risco.

“O Banco Central mantém sua opinião de que os criptoativos são especulativos e trazem altos riscos para as carteiras. A CBDC é simplesmente uma expressão do real normal, o real físico que você já usa no seu dia a dia”, explicou.

O assessor também esclareceu que o e-Real seria emitido pelo próprio BC. Em seguida, será distribuído oficialmente pelo sistema financeiro para operações como pagamentos no varejo.

Araújo mencionou que o principal objetivo do Real Digital é acompanhar o dinamismo da evolução tecnológica da economia brasileira. Dessa forma, o projeto contribui para o surgimento de negócios. 

Ademais, a CBDC também vai favorecer a participação do Brasil no cenário econômico regional e global.

“Com isso, o Banco Central teria uma ferramenta para cumprir as suas missões de estabilidade monetária e financeira numa economia que é cada vez mais digital”, afirmou.

Segurança de dados e privacidade com CBDC

A professora Dora Kaufman, do Programa de Tecnologias da Inteligência da PUC de São Paulo, alertou para os cuidados que as instituições financeiras devem ter com a segurança e a privacidade dos dados dos usuários.

Segundo ele, nosso ambiente já é digital e a sociedade já está conectada. Nesse sentido, a grande questão da digitalização é a segurança dos dados.

Kaufman observou que o papel moeda é uma transação anônima. Afinal, não tem identificação das partes envolvidas. Já com uma moeda digital o cenário muda, pois há identificação e geração de dados.

“A privacidade desses dados é básica”, afirmou.

Leia também: Foxbit cancelou conta de Glaidson da GAS por suspeita de fraude, revela relatório

Leia também: Binance anuncia integração com Ronin Network e taxas do Axie Infinitiy podem cair

Leia também: Usuário perde mais de R$ 1 milhão em NFT falso de Banksy

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.