5 assuntos sobre Bitcoin para acompanhar nesta semana

O Bitcoin apresentava sinais de recuperação até o CEO da Tesla fazer novas publicações no Twitter. O resultado são as duras quedas vistas nesta segunda-feira (17).

O “efeito Elon Musk” acabou se mostrando forte na esfera das criptomoedas, fazendo com o que o BTC quase tocasse os US$ 40 mil.

Em meio a este cenário, o Cointelegraph listou cinco fatores que podem impactar o mercado esta semana.

Especulações de venda

Uma “guerra” está sendo travada entre Musk e os defensores do Bitcoin. A primeira grande movimentação ocorreu na semana passada.

Na ocasião, a Tesla anunciou que não comercializaria mais seus carros com BTC, alegando alto impacto ambiental. Desde então, o Bitcoin tem mergulhado em novos níveis de teste.

O mercado entrou em pânico por conta das informações errôneas divulgadas. E, para piorar, Musk voltou a publicar sobre o Bitcoin esta semana.

O executivo disse que a “Tesla não vendeu nenhum Bitcoin”, gerando temores de uma possível venda futura.

No momento de escrita desta matéria, o BTC é negociado a US$ 44.970,00, registrando uma retração de 7,67% nas últimas 24 horas.

Dominância do Bitcoin volta a cair

Com as consecutivas retrações, o Bitcoin vem perdendo sua dominância. Segundo o portal CoinGecko, o BTC detém “apenas” 38,8% do valor de mercado de criptomoedas.

Estima-se que as falas de Musk também tenham impactado na dominância do BTC. Embora o Bitcoin tenha corrigido, juntamente com outras grandes criptomoedas em valor de mercado, altcoins que usam o sistema de prova de participação (PoS) valorizaram.

Com a queda da dominância do BTC, o Ethereum ganhou mais espaço. Agora, a ETH representa 18,6% do valor de mercado das criptomoedas.

Fundamentos fortes

Embora o Bitcoin tenha sido corrigido para aproximadamente US$ 42 mil, a mineração manteve-se sólida.

A taxa hash rate alcançou a marca de 180,7 EH/s pela primeira vez. No entanto, a dificuldade de minerar blocos do ecossistema deve aumentar em mais de 10% no próximo reajuste, previsto para ocorrer em 11 dias.

“A dificuldade de mineração do Bitcoin romper uma máxima histórica logo após o anúncio da Tesla é a cereja do bolo”, disse Alex Thorn, chefe de pesquisa firmwide da Galaxy Digital.

Desempenho melhor que 2017

Apesar das recentes correções, o Bitcoin ainda apresenta uma performance melhor que a corrida de 2017.

Atualmente, a criptomoeda está 124% acima da máxima de US$ 20 mil registrada há 4 anos.

Ou seja, apesar do duro impacto no curto prazo, o “efeito Elon Musk” não foi capaz de afundar o BTC.

Inflação

Em paralelo às movimentações da criptoesfera, investidores estão atentos à inflação dos Estados Unidos.

Após a aprovação do pacote de estímulo econômico do governo Joe Biden, especialistas e executivos indicaram uma possível desvalorização da moeda local.

De fato, o dólar estadunidense apresentou uma pequena queda, mas já está se recuperando. Além disso, o mercado de ações reaqueceu na China.

“A recuperação econômica global está bem encaminhada. Isso é o que alimenta os temores da inflação”, disse Olivier d’Assier, chefe do Qontigo de pesquisa aplicada da APAC à Bloomberg.

Leia também: Veterano prevê futuro do Bitcoin e criptomoedas durante a correção

Leia também: Cofundador do Ethereum some com R$ 35 bilhões do token SHIB

Leia também: Token da FTX permite apostar na reeleição de Jair Bolsonaro em 2022

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.