14% das vítimas de fraudes no Brasil foram enganadas por pirâmides financeiras

Os esquemas de pirâmide financeira estão entre as principais fraudes sofridas por internautas brasileiros. Dos 59% de entrevistados que disseram já ter sofrido algum golpe financeiro pela internet nos últimos 12 meses, 14% foram vítimas das pirâmides.

Em relação a 2019, o percentual total de brasileiros que sofreram alguma fraude financeira subiu 13%. Agora, são mais de 16,7 milhões de brasileiros lesados. 

O levantamento em questão foi realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Pirâmide é um dos golpes mais comuns do Brasil 

A pesquisa estima um prejuízo total superior a R$ 2,7 bilhões decorrente de fraudes no ambiente digital. A quantia inclui também os gastos dos usuários na busca pela resolução do problema.

O valor médio foi calculado em R$ 512,40, sendo que 20% dos entrevistados relataram a perda de valores acima de R$ 800.

No ranking de fraudes investigadas, as pirâmides e outros investimentos fraudulentos como golpe de ações ou fundo de aposentadoria só ficam atrás de:

  • Não receber por um produto ou serviço que comprou: 41%;
  • Aquisição de produtos ou serviços entregues diferente das informações especificadas pelo vendedor: 41%;
  • Clonagem de cartão de crédito ou débito: 24%
  • Golpes por meio de ligação, e-mail, SMS ou WhatsApp que solicita dados pessoais e bancários da vítima: 17% e
  • Pagamento de falsa cobrança por meio de depósito, boleto falsificado ou adulterado (15%).

Ainda de acordo com o levantamento, 51% das vítimas são mulheres e 49% são homens. Além disso, a maioria (56%) pertence à classe C, enquanto os outros 44% são da classe A/B.

Ademais, mais da metade das vítimas (53,6%) tem pelo menos o ensino médio completo. Já a idade média dos entrevistados que sofreram alguma fraude é de 39 anos.

Ao todo, a pesquisa, que contou com a parceria do Sebrae, entrevistou 949 internautas com 18 anos ou mais de todas as capitais do país. A coleta de dados foi feita entre os dias 15 e 30 de abril de 2021.

Fraudes online são mais recorrentes

Em 38,8% dos casos, as fraudes aconteceram via internet, por meio de lojas online. Em seguida, vêm os sites de compra e venda de produtos (15%), os bancos (8,9%) e instituições financeiras (7,1%).

O meio mais comum pelo qual a vítima descobre a fraude é o recebimento de SMS informando sobre compras no cartão (12,6%).

Outros 9% só descobrem as perdas quando a fatura do cartão chega e 8,5% dos entrevistados só souberam das fraudes ao serem contatados por empresas de cobrança.

O surgimento de valores estranhos no extrato bancário responde por 8,3%. Já o não recebimento do produto por 7,2% e a impossibilidade de sacar valores investidos por 7%.

Sobre fraudes como os esquemas de pirâmide, o presidente da CNDL, José Cesar da Costa destacou:

“É importante que o consumidor fique atento a promessas fora do ‘normal’, sempre buscando informações sobre as empresas contratadas.”

Em 2020, conforme noticiou o CriptoFácil, as pirâmides financeiras foram os crimes financeiros mais frequentes denunciados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

De acordo com o regulador, foram enviados mais de 260 comunicados de indícios de crime. Destes, 139 foram sobre pirâmides financeiras. Ou seja, 53,5% do total de comunicados enviados.

Leia também: Token brasileiro que disparou 924% é listado na NovaDAX

Leia também: Entenda o Taproot do Bitcoin em um episódio de podcast

Leia também: Nassim Taleb critica novamente o Bitcoin e comunicade rebate

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter

Subscreva a nossa newsletter e receba informação em primeira mão e sem SPAM.


© Como Ganhar Dinheiro. Todos os direitos reservados.